CURSO GRATUITO

INSCRIÇÕES ATÉ

21/06

Inscreva-se agora

O que é a Pirâmide de Heinrich?
Quais as principais teorias de Heinrich e sua importância?
O que é a Pirâmide de Bird?
O que é a Pirâmide de Desvios?
O que elas têm em comum e qual devo utilizar?
Como aplicar as Pirâmides de Heinrich, Bird e Desvios no dia a dia de uma empresa?
Aprenda os princípios do Lean Seis Sigma e destaque-se no mercado!

Entenda a função das Pirâmides de Heinrich, Bird e Desvios na segurança do trabalho!

Saiba o que é, como surgiu e como utilizar a Pirâmide de Heinrich para prevenir riscos de acidentes, e assim impulsionar os ganhos dentro de sua empresa.

Gabriel Rossetti
Por: Gabriel Rossetti
Entenda a função das Pirâmides de Heinrich, Bird e Desvios na segurança do trabalho!

Você já se imaginou trabalhando em uma empresa que não te oferecesse segurança? Imagine que você vai executar atividades no trabalho com riscos de parar em um hospital, como você se sentiria?

A segurança do trabalho é muito importante para qualquer tipo de empresa e por isso os estudos dessa temática só crescem.

Dentro deste contexto, a Pirâmide de Heinrich é fundamental para entender como prevenir acidentes e garantir produtividade e qualidade em seus processos e produtos.

Segundo um estudo feito pelo Ministério do Trabalho, mais de 700 mil acidentes de trabalho acontecem por ano no Brasil. Percebe o quão alto é esse valor?

A maior parte desses acidentes ocorrem por descuido dos funcionários ou pela falta de condições que deveriam ser fornecidas pelas empresas.

Se você tem interesse em mudar esse cenário brasileiro, este artigo foi feito para você! Vamos te ajudar a saber por onde começar.

Neste artigo você aprenderá:

  • O que é a Pirâmide de Heinrich?
  • Quais as principais teorias de Heinrich e sua importância?
  • O que é a Pirâmide de Bird?
  • O que é a Pirâmide de Desvios?
  • O que elas têm em comum e qual devo utilizar?
  • Como aplicar as Pirâmides de Heinrich, Bird e Desvios no dia a dia de uma empresa?

O que é a Pirâmide de Heinrich?

Implementação da Pirâmide de Heinrich

A Pirâmide de Heinrich, ou também conhecida como, é uma ferramenta que serve para quantificar as anormalidades quanto à segurança, e permite monitorar esses eventos por nível de gravidade e compará-los ao longo do tempo.

Além disso, a Pirâmide de Heinrich classifica esses eventos em níveis de gravidade.

Esta ferramenta tem como objetivo reduzir os acidentes de maneira progressiva, mas diferentemente do que você deve estar imaginando, os problemas não começam a ser atacados por uma extremidade, e sim pelas duas extremidades de maneira paralela!

Aprenda sobre o WCM!

A Pirâmide de Heinrich é considerada uma das principais ferramentas na implementação do pilar técnico de segurança do World Class Manufacturing, uma das mais modernas metodologias da melhoria contínua.

E agora, que tal começar a se aprofundar sobre ela?

Baixe agora o nosso ebook 7 Ferramentas do WCM e conheça as 7 ferramentas aplicáveis nos 11 pilares do World Class Manufacturing!

Banner do Ebook 7 ferramentas do WCM. Baixe agora!

Quais as principais teorias de Heinrich e sua importância?

Herbert William Heinrich é considerado o pioneiro nos estudos de segurança do trabalho e trouxe muita bagagem para que esses estudos fossem aperfeiçoados e implementados dentro das organizações.

Saiba a importância do Engenheiro na Segurança do Trabalho acessando este artigo.

Em sua obra Industrial Accident Prevention, publicada na década de 30, Heinrich defendeu que todo acidente possui uma ou mais causas. Isso parece um pouco óbvio, né?

Entretanto, isso serviu como um pontapé inicial para suas análises em acidentes que ocorriam nas empresas e assim, construir duas teorias que foram muito importantes para a redução dos acidentes.

1. Teoria do dominó

É legal ver o efeito dominó, né? Não quando o assunto é segurança do trabalho!

Heinrich explica como os acidentes são causados dentro das empresas, e com isso, como buscar maneiras de evitar que qualquer acidente ocorra.

Nesta teoria, o acidente é representado por cinco peças de dominós, posicionados de maneira que quando o primeiro cai, os outros vão caindo em sequência.

Essa analogia é importante para entendermos as causas de um acidente e buscar eliminar qualquer risco, através da Pirâmide de Heinrich. As peças são definidas como:

  • Herança Genética: Se refere aos comportamentos herdados ou desenvolvidos das pessoas no ambiente de trabalho;
  • Falha das pessoas: Essa peça diz respeito aos maus comportamentos, como falta de atenção, violência ou o ato de não se importar com as práticas de segurança e outras;
  • Ato inseguro: Essas falhas das pessoas acabam levando a atos inseguros, aumentando os riscos mecânico ou físico;
  • Acidente: O conjunto de atividades inseguras com os riscos físicos e mecânicos gera um aumento das chances em ocorrer um acidente;
  • Lesão: A lesão é resultante dos acidentes e podem atingir níveis diferentes de gravidade, como por exemplo fraturas ou ferimentos no corpo do trabalhador.

Você deve estar se perguntando o que isso tem a ver com a Pirâmide de Heinrich, certo? Não se preocupe, eu vou te explicar.

Esses conceitos foram fundamentais para analisar os acidentes de trabalho e, assim, concluir seus estudos e resultados como a Pirâmide de Heinrich.

2. Teoria da Pirâmide de Heinrich

Você tem interesse em saber como a ferramenta Pirâmide de Heinrich utilizada na melhoria contínua surgiu? Como ela se tornou tão famosa? Ou por que ela é tão importante para a implementação da segurança nas organizações? Continue lendo que vou te explicar tudo.

Classificação da Piramide de Heinrich

Heinrich realizou mais de 70 mil análises de acidentes de trabalho e chegou à conclusão de que a cada 1 (uma) lesão grave ou acidente com morte corresponde a 29 lesões leves e 300 acidentes sem lesões.

A pirâmide mostra os acidentes de trabalho com e sem lesão, e pode ser interpretada como ocorrências de anormalidades derivadas dos atos de insegurança presentes nas organizações.

Portanto, a partir de seus estudos surgiu a necessidade das empresas em se preocupar com a prevenção desses acidentes, discutindo atitudes, habilidades e conhecimentos dos colaboradores. Além disso, também entrou nessa pauta as precarizações do trabalho.

Você deve ter percebido que o conceito da Pirâmide de Heinrich apresentado no primeiro tópico possui uma abordagem um pouco diferente da sua teoria, né? Lá em cima eu disse que era uma ferramenta de aplicação e aqui o resultado de um estudo.

Isso aconteceu porque se passaram muitos anos e seus estudos foram se aperfeiçoando, tomando outros nomes e aplicações. Vamos conhecer os principais, a Pirâmide de Bird e de Desvios.

O que é a Pirâmide de Bird?

Resultados da pirâmide de Bird

A Pirâmide de Bird surgiu quase 30 anos depois que a Pirâmide de Heinrich e ganhou esse nome por conta do seu criador, Frank Bird Jr., que acrescentou à teoria 4 pontos considerados essenciais para medidas de prevenção de acidentes e perdas:

  • Informação;
  • Investigação;
  • Análise;
  • Revisão do processo.

Seu estudo envolveu mais de 90 mil análises de acidentes, porém na obra publicada foi considerado apenas 1750 mil, em mais de 290 empresas, e concluiu que os acidentes de menor gravidade devem ser evitados para que os mais graves não ocorram.

A sua pirâmide resultou na proporção de que a cada 1 acidente com morte ou lesão grave correspondiam a 100 lesões leves e 500 acidentes sem lesões.

Além disso, Bird foi além das análises que envolviam acidentes com pessoas e estudou as perdas de patrimônios causadas por esses eventos também.

Ainda não acabamos, falta a última pirâmide, a pirâmide de desvios. Você pode encontrar esses diferentes nomes para representar cada uma delas, então vamos entender o último.

O que é a Pirâmide de Desvios?

Resultados da pirâmide de desvios

Sabe a Dupont? Aquela empresa que também foi responsável pela criação do nylon, um material muito usado em eletrodomésticos, para corda de violão ou linha de pesca. Então, essa mesma empresa também investiu estudos em e criou a pirâmide de desvios.

Heinrich e Bird focaram seus estudos em perdas que poderiam gerar indenizações para as empresas. Já a Dupont foi mais longe, e além de considerar as perdas, ela gerou esforços para focar na prevenção de riscos.

Em vista disso, a pirâmide ficou ainda maior, considerando desvios na proporção de que para cada 1 acidente fatal, correspondia a 30 acidentes com afastamento, 300 acidentes sem afastamento, 3 mil incidentes e 30 mil desvios.

Mas afinal, o que podemos concluir em relação às três pirâmides e qual delas eu devo utilizar para garantir a redução de acidentes nas empresas?

O que elas têm em comum e qual devo utilizar?

Primeiramente, observa-se que de uma pirâmide a outra, a proporção aumenta em 10 vezes, e que as faixas da pirâmide também aumentam.

Isso significa que passaram a considerar mais critérios para classificar as gravidades dos acidentes e isso é muito importante para saber como atacar cada uma das faixas.

Para que você aplique os conceitos que aprendeu aqui nas empresas, é necessário considerar que cada empresa possui suas particularidades, portanto, você deve criar os seus próprios parâmetros e analisar os acidentes em cada faixa da pirâmide.

Mas vale ressaltar que após ter a Pirâmide de Heinrich elaborada segundo as análises da sua empresa, é necessário atacar as duas extremidades ao mesmo tempo e de maneira progressiva.

Como aplicar as Pirâmides de Heinrich, Bird e Desvios no dia a dia de uma empresa?

As Pirâmides de Heinrich, Bird e Desvios são modelos teóricos que auxiliam na compreensão e prevenção de acidentes de trabalho. Para aplicá-los no dia a dia de uma empresa, é necessário seguir algumas etapas:

1. Conscientização e treinamento

Promova a conscientização sobre a importância da segurança no trabalho e ofereça treinamentos regulares para os colaboradores sobre os princípios das pirâmides de Heinrich, Bird e Desvios.

2. Identificação de desvios

Realize uma análise detalhada dos processos e identifique os desvios de segurança que possam levar a acidentes. Isso pode incluir falhas de equipamentos, falta de treinamento adequado, descumprimento de procedimentos, entre outros.

3. Implementação de medidas preventivas

Com base na identificação dos desvios, implemente medidas preventivas para corrigir as falhas e reduzir os riscos de acidentes. Isso pode envolver melhorias nos equipamentos, reforço na capacitação dos colaboradores, implementação de procedimentos de segurança, entre outras ações.

4. Monitoramento e feedback

Estabeleça um sistema de monitoramento contínuo para avaliar a eficácia das medidas preventivas adotadas. Realize auditorias de segurança, promova inspeções regulares e solicite feedback dos colaboradores para identificar eventuais falhas e realizar ajustes necessários.

5. Cultura de segurança

Promova uma cultura de segurança no ambiente de trabalho, envolvendo todos os colaboradores. Incentive a comunicação aberta sobre questões de segurança, reconheça e valorize boas práticas de segurança e mantenha um canal de denúncia para relato de possíveis desvios.


Ao aplicar as Pirâmides de Heinrich, Bird e Desvios no dia a dia da empresa, é possível promover uma cultura de segurança sólida, reduzir o número de acidentes e criar um ambiente de trabalho mais saudável e produtivo.

Aprenda os princípios do Lean Seis Sigma e destaque-se no mercado!

Dê um salto na sua carreira com o curso Treinamento de White Belt em Lean Seis Sigma da Voitto!

Com aulas práticas e dinâmicas, você adquirirá habilidades essenciais para a melhoria contínua de processos. Seja um agente de transformação e impulsione a eficiência e qualidade em sua organização!

Não perca essa oportunidade de crescimento profissional. Utilize o cupom BLOG100 para garantir o curso de forma gratuita!

Inscreva-se agora mesmo no curso Treinamento de White Belt em Lean Seis Sigma e inicie sua jornada de sucesso.

Banner do curso Treinamento de White Belt em Lean Seis Sigma.

Gabriel Rossetti

Gabriel Rossetti

Graduando em Engenharia de Produção pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). Diretor voluntário no Programa Futuro Cientista, levando incentivo à pesquisa científica crianças e jovens. Bolsista de projeto de extensão por 6 meses, desenvolvendo palestras e workshops sobre fontes de energias renováveis e resíduos sólidos. No Movimento Empresa Júnior, assumiu posições de liderança como Diretor Comercial da Líder Jr. e Gerência de projetos. Estagiou em três empresas, dentre elas, a Mind Consulting em que se responsabilizou pela inteligência de mercado, prospecção e gestão de projetos. Estagiário na ACE Startups em que elaborou e publicou o ACE Innovation Survey. Certificado em White Belt Lean Seis Sigma e metodologia SCRUM. Especialista em conteúdo no Grupo Voitto na área de P&D.

As 7 Ferramentas do WCM - Baixe agora!

QUER RECEBER CONTEÚDO VIP?

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade.

Respeitamos sua privacidade e nunca enviaremos spam!

voitto.com.br

© Copyright 2008 - 2024 Grupo Voitto - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS.

7 Ferramentas Wcm Para Solucao De Problemas

Para baixar o material, preencha os campos abaixo:

Possui graduação completa?

Concordo em receber comunicações de acordo com a Política de Privacidade.