ANIVERSÁRIO VOITTO

A MAIOR OFERTA DO ANO! TODO SITE COM ATÉ50% OFF

O que é a Teoria da Contingência?
Origem da Teoria Contingencial
Teorias da Abordagem Contingencial
Outras Teorias da Abordagem Contingencial
Pesquisas sobre a Teoria Contingencial
Tom Burns e G. M Stalker - Ambiente Externo
Entenda como está o clima organizacional da sua empresa!

A Teoria da Contingência e a personalização da estrutura organizacional

A Teoria da Contingência foi desenhada tendo em base as diferenciações entre cada empresa. Por isso, sua aplicação tende a ser mais assertiva.

Thiago Coutinho
Por: Thiago Coutinho
A Teoria da Contingência e a personalização da estrutura organizacional

Como você já sabe, as constantes evoluções tecnológicas e empresariais criam diferentes contextos para cada uma das organizações. Diante disso, utilizar metodologias padrões já não se faz mais tão efetivo. Sendo assim, a Teoria da Contingência pode ser o melhor dos caminhos.

Focada em entender quais são as características de cada firma, essa abordagem tem como objetivo propor uma estrutura que faça sentido levando em consideração o modelo de negócio, ambiente interno e externo, mercado e muito mais!

Quer descobrir a fundo o que é a Teoria da Contingência e entender qual das suas abordagens faz mais sentido para o seu negócio? Então, confira este conteúdo até o final. Aqui você irá encontrar:

  • O que é a Teoria da Contingência?;
  • Origem da Teoria Contingencial;
  • Teorias da Abordagem Contingencial;
  • Outras Teorias da Abordagem Contingencial;
  • Pesquisas sobre a Teoria Contingencial.

O que é a Teoria da Contingência?

Antes de entender mais a fundo sobre a teoria, é interessante contextualizar o significado de contingência. Este termo é utilizado para designar uma situação incerta e eventual. Ou seja, algo que pode depender de diversos fatores para acontecer e até mesmo para não acontecer.

Sendo assim, a Teoria da Contingência é embasada na visão de que não se pode inferir ou pressupor uma única estrutura organizacional que funcionará de maneira ideal para todos os tipos de empresa.

Afinal, cada uma delas possui ambientes e os fatores contingenciais são diferentes que podem intervir diretamente no funcionamento de uma firma.

Sendo assim, a Teoria da Contingência se debruça a entender e estudar os vários aspectos capazes de transformar uma abordagem, fazendo com que seja possível personalizá-la de acordo com as demandas e necessidades de cada uma das organizações.

Além disso, essa abordagem afirma que o modelo de gestão indicado para cada empresa irá depender de um diagnóstico detalhado da análise de diversos fatores.

Pelo conceito já é possível perceber que a Teoria da Contingência é criada para modificar padrões anteriores. Por isso, entenda melhor o contexto no qual ela foi concebida!

Origem da Teoria Contingencial

A Teoria Contingencial teve como pontapé inicial a necessidade que alguns estudiosos possuíam em entender como as estruturas organizacionais das empresas impactavam no êxito ou não de uma companhia.

Isso acontece pois o contexto de estudos mostra um alarmante cenário: as teorias antes divulgadas e como solidamente fundamentadas, já se mostram ultrapassadas.

Afinal, com a globalização e suas aplicações em diferentes ambientes, nota-se que elas não consideram a divergência de pressupostos da administração 4.0como:

  • Localização geográfica;
  • Cultura;
  • Perfil demográfico dos consumidores;
  • Tecnologias incorporadas;
  • Hábitos dos clientes;
  • Concorrência.

Por isso, desde o contexto de sua criação, a partir de 1961, é possível notar que essa teoria tem se destacado frente às demais. Afinal, a Teoria da Contingência leva em consideração as diferenças das empresas e entende que elas são sistemas sociotécnicos ativos no ambiente em que estão inseridas.

Sendo assim, foi necessário responder a seguinte questão: quais são os fatores que realmente impactam e devem ser levados em consideração no momento de personalizar a Teoria da Contingência para aplicá-la em cada organização? Descubra esses pontos no tópico a seguir!

Teorias da Abordagem Contingencial

Pode-se definir que a Abordagem Contingencial tem como composição de 5 fatores: o ambiente, a estratégia, a tecnologia, a gestão e a estrutura. Com isso, é necessário entender mais a fundo sobre cada um deles para definir a metodologia mais eficaz para cada organização.

Dessa forma, confira abaixo detalhes sobre cada um dos pilares.

Ambiente

Para ser possível entender e personalizar a abordagem contingencial para cada organização, é fundamental conhecer a fundo sobre o ambiente em que ela está inserida.

Nesse sentido, analisar as tendências de mercado, tecnologias incorporadas, concorrência, movimentos do setor são fatores importantes.

É também nesse pilar que se deve identificar se a empresa está em uma estrutura de gestão de pessoas mais rígida, conhecida como organização mecanicista, ou mais flexível, também chamada de orgânica.

Estratégia

O pilar de estratégia pode ser personalizado com base na avaliação de quesitos como:

  • Posição de mercado e de ações tomadas para organização;
  • Análise de forças e fraquezas do negócio;
  • Entendimento das oportunidades e ameaças do mercado;
  • Postura diante de um ambiente competitivo;
  • Defesa do nicho de mercado.

Diante desses conceitos, será possível identificar se a empresa se enquadra em uma estratégia com ideal:

  • Prospector: em constante busca por oportunidades, perfil inovador e ativo ao desenvolver novos produtos e serviços;
  • Defensor: mais passivos, menos dinâmicos e com foco na eficiência;
  • Analista: busca pelo equilíbrio dos dois perfis.

Assim, adequa-se com mais assertividade a Teoria da Contingência à realidade da organização.

Tecnologia

No pilar da tecnologia é preciso entender o perfil tecnológico da empresa e do mercado em que ela está inserida. Ou seja, se o ambiente é mais ou menos voltado para a inovação e em qual velocidade as novas tendências são incorporadas.

Esse ponto está normalmente muito alinhado com o anterior. Por exemplo, empresas com perfil prospector tendem a estar em nichos de mercado mais dinâmicos no que tange às questões tecnológicas e por isso devem se preocupar em estar sempre à frente das concorrentes nesse sentido.

Gestão

No modelo de gestão, é possível detectar dois vieses principais nas organizações. O primeiro deles se caracteriza por um ambiente mais participativo, em que equipes interdepartamentais podem trazer velocidade e qualidade para a empresa.

Por outro lado, o segundo viés tende para um contexto com menos troca e uma hierarquia rígida e bem definida. Com isso, a relação entre colaboradores e gestores é menos democrática.

De maneira geral, esse ponto é crucial para entender qual das teorias da Abordagem Contingencial fará mais sentido para a empresa.

Estrutura

Nesse aspecto, será possível mapear os seguintes fatores:

  • Qual é a estrutura da organização?
  • Quais objetivos são mais relevantes para definir a estrutura?
  • Quais são as incertezas que impactam a organização e o mercado em que ela está inserida?

Diante de todas essas questões, será possível entender qual estrutura faz mais sentido para a empresa.

Para exemplificar esse ponto basta pensar na diferença que geralmente caracteriza firmas de pequeno e grande porte. Enquanto no primeiro contexto as decisões são mais simples e desburocratizadas, no segundo regras e normas podem trazer eficiência.

Tendo em mente esses três pilares, será possível entender qual das Teorias da Abordagem Contingencial faz mais sentido para uma empresa. Por isso, conheça detalhes sobre cada uma das possibilidades no próximo tópico.

Outras Teorias da Abordagem Contingencial

Como você já sabe, a Teoria da Contingência foi criada para refutar as teorias anteriores. No entanto, vale ressaltar que o seu objetivo nunca foi descartar todo o conhecimento adquirido até o momento, afinal, elas funcionavam em diferentes condições, mas não para todas as organizações.

Diante disso, de acordo com a análise do ambiente baseada nos pilares do tópico anterior, gestores e lideranças conseguem entender qual das teorias raízes faz mais sentido a aplicação no dia a dia da empresa de acordo com a abordagem contingencial.

Por isso, é fundamental conhecer um pouco sobre cada uma das teorias da Abordagem Contingencial. Confira mais a seguir!

Teoria Clássica

A Teoria Clássica da Administração é ideal para ser aplicada em organizações que se caracterizam por modelos de gestão e estruturas mais rígidas, mecânicas e fechadas.

Por não possuírem grande interação com o ambiente externo, as atividades são padrões e sem muitas mudanças significativas.

Teoria das HR

A Teoria das Relações Humanas é aplicada em uma abordagem contingencial quando o foco da organização é entender o comportamento humano e fomentar relações mais informais.

Nesse sentido, avalia-se também o fator social como determinante para o comportamento individual dentro de grupos e equipes.

Teoria da Burocracia

Voltada para a administração da produção e para instituir padrões, a Teoria da Burocracia se baseia em técnicas administrativas que procuravam compreender e explicar de maneira racional, legal, impessoal e formal a estrutura organizacional.

Diante disso, a sua abordagem contingencial pode ser aplicada toda e qualquer organização que busque a máxima eficiência dos aspectos internos através da:

  • Divisão do trabalho;
  • Poder da autoridade;
  • Regras claras e formalizadas;
  • Disciplina e cumprimento de padrões.

Vale ressaltar que a abordagem da Teoria da Contingência dessa vertente é uma das maneiras da administração científica se materializar atualmente.

Teoria Estruturalista

A abordagem estruturalista busca unir os conceitos de organização e ser humano, com o objetivo de unir as teorias clássicas e humanísticas tendo como base a estrutura da Teoria da Burocracia.

Para isso, possuem como base a análise comparativa entre diferentes modelos de negócio.

Teoria Neoclássica

Com base na Teoria Clássica, a Teoria Neoclássica toma seus conceitos como ponto de partida. No entanto, busca adaptá-los a fim de propor uma metodologia ampla e que seja capaz de ser utilizada por outras organizações em caráter universal.

Teoria Comportamental

A Teoria Comportamental é uma das vertentes originárias da Teoria das RH. Embasada em um sistema aberto e com interferências do ambiente externo, essa abordagem reconhece que para que uma organização mude e melhore, é preciso se adaptar à dinâmica e ao comportamento dos seus participantes.

Dessa forma, é preciso ampliar o conceito de comportamento social e também buscar entender questões como: fatores motivacionais, estilos de vida e características específicas dos colaboradores.

Teoria de Sistemas

Voltada para a concepção de uma visão global sobre a organização, a Teoria de Sistemas visou criar modelos abertos de gestão.

Esses são ideais para empresas que buscam se subdividir em sistemas que tenham inter-relações. Ou seja, diferentes áreas conseguem se comunicar através de modelo padrão que atende as demandas individuais e conjuntas.

Depois de tudo o que foi visto, chegou a hora de conhecer as pesquisas mais relevantes sobre a Teoria Contingencial. Por isso, separamos em detalhes os três estudos mais importantes para a formação dessa abordagem.

Pesquisas sobre a Teoria Contingencial

Diversos pesquisadores renomados se debruçaram no que diz respeito a Teoria Contingencial com o objetivo de adaptá-la em relação às mudanças dos ambientes empresariais e dar mais assertividade em suas premissas.

Com isso, é possível destacar alguns nomes que obtiveram mais relevância com suas contribuições. Conheça abaixo a respeito de três estudos de referência no tema!

Alfred Chandler – Teoria Histórica da Grande Empresa

Alfred Chandler Jr, professor de Administração e História Econômica na Harvard Business School, desenvolveu uma das primeiras pesquisas a respeito do que se tornou a Teoria da Contingência.

Em 1962, o estudioso se debruçou a pesquisar sobre as mudanças organizacionais e seus impactos nas estratégias de negócios adotadas pelas companhias. Para isso, realizou uma análise com quatro grandes empresas estadunidenses:

  • DuPont;
  • General Motors;
  • Standar Oil Co.(New Jersey);
  • Sears Roebuck & Co.

Diante da pesquisa temporal, Chandler notou padrões de adaptação nas companhias e foi capaz de identificar que o processo possui alguns padrões mapeados em quatro etapas:

  • Acumulação de recursos;
  • Racionalização do uso de recursos;
  • Continuação do crescimento;
  • Racionalização do uso dos recursos em expansão.

Com isso, foi possível chegar à conclusão de que as estruturas organizacionais são determinadas pela estratégia de mercado da empresa e também pelo ambiente do setor em que a mesma está inserida.

Seus resultados foram expressivos e impactaram a forma com que estudantes de administração lidavam com o aprendizado sobre gestão.

Tom Burns e G. M Stalker - Ambiente Externo

Os sociólogos Burns e Stalker também desenvolveram pesquisas relevantes no que tange a relação entre as práticas de gestão ou administrativos e o ambiente externo. Para avaliar e entender se existem correlações, coletaram dados com uma amostra de vinte indústrias inglesas.

Após a análise dos dados, foi possível classificá-las em dois tipos:

  • Organizações mecanísticas: empresas que atuam em segmentos mais estáveis e que podem se basear em princípios da Teoria Clássica como uma hierarquia mais rígida, tratamentos formais, divisão do trabalho, atividades centralizadas e cargos de especialistas;
  • Organizações orgânicas: companhias inseridas em ambientes propensos à inovação e mudanças, por isso, possuem ênfase em princípios da Teoria das Relações Humanas. É possível identificar algumas características como padrão, por exemplo: atividades mais descentralizadas, altos níveis de confiança, estruturas e atividades mais flexíveis.

Sendo assim, os pesquisadores puderam chegar à conclusão que as empresas de maior sucesso se ajustam melhor às necessidades dos ambientes em que estão inseridas através da diferenciação e também da integração entre departamentos com um trabalho em conjunto e integrado.

Joan Woodward – Sistemas de Produção, Tecnologia e Gerenciamento

Outro destaque nos estudos sobre o tema foi Joan Woodward. Voltado para entender as relações existentes entre os sistemas de produção, a tecnologia e a forma de gerenciamento, desenvolveu uma pesquisa com amostra de 100 empresas situadas no sul da Inglaterra e que possuíam entre 100 e 8.000 colaboradores.

Mesmo com essa grande variação de tamanhos, Woodward identificou como padrão que a tecnologia é um fator primordial para o sucesso das organizações.

Em outras palavras, as empresas que se destacavam eram aquelas que adotavam uma estrutura alinhada com a sua tecnologia de produção. Com base nesse aspecto, classificou as firmas em três grupos:

  • Produção unitária: cada um dos processos de produção é constituído por unidades ou pequenos lotes em que cada produto é desenvolvido a seu tempo e suas modificações são graduais conforme é produzido;
  • Produção em massa: quando comparada ao modelo anterior, é possível perceber que as produções são em grandes lotes;
  • Produção em processo: produção contínua que conta com um processo total ou parcialmente automatizado, e com isso, demanda poucos operários para conduzi-lo. 

Entenda como está o clima organizacional da sua empresa!

Saber o que os colaboradores pensam acerca de sua empresa é essencial para manter um clima de motivação, e por consequência, de produtividade no ambiente de trabalho.

Descobrir o quanto eles querem trabalhar, o quanto gostam do trabalho, entre outros, é necessário para se ter uma boa gestão de pessoas.

Por isso, criamos para você a Planilha Pesquisa de Clima Organizacional, onde você terá uma lista de perguntas necessárias para realizar essa pesquisa e ainda, ter um diagnóstico eficiente no final.

Clique agora no botão abaixo e faça o download!


planilha pesquisa de clima organizacional

Thiago Coutinho

Thiago Coutinho

Thiago é formado em Engenharia de Produção, pós-graduado em estatística e mestre em administração pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF). Black Belt em Lean Six Sigma, trabalhou com metodologias para redução de custos e otimização de processos na Votorantim Metais, ingressando posteriormente na MRS Logística como trainee, onde ocupou posições de gestor e especialista em melhoria contínua. Com certificação Microsoft Office Specialist (MOS®) e Auditor Lead Assessor ISO 9001, atendeu a diversas empresas em projetos de consultoria, além de treinamentos e palestras relacionadas a Lean Seis Sigma, Carreira e Empreendedorismo em congressos de renome nacional como o ENEGEP (Encontro Nacional de Engenharia de Produção) e internacional como Congresso Internacional Six Sigma Brasil. No ambiente acadêmico atua como professor de cursos de Graduação e Especialização nas áreas de Gestão e Empreendedorismo. Empreendedor serial, teve a oportunidade de participar de empreendimentos em diversos segmentos. Fundador do Grupo Voitto, foi selecionado no Programa Promessas Endeavor, tendo a oportunidade de receber valiosas mentorias para aceleração de seus negócios. Atualmente é mentor de empresas e se dedica à frente executiva da Voitto, carregando com seu time a visão de ser a maior e melhor escola on-line de gestão do Brasil.

kit empreendedorismo

QUER RECEBER CONTEÚDO VIP?

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade.

Respeitamos sua privacidade e nunca enviaremos spam!

voitto.com.br

© Copyright 2008 - 2024 Grupo Voitto - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS.

[Kit] Empreendedorismo

Para baixar o material, preencha os campos abaixo:

Possui graduação completa?

Concordo em receber comunicações de acordo com a Política de Privacidade.